Parto Hospital Divina Providência - Porto Alegre

Nascimento da Sophie

Eu gosto de contar histórias, mas eu ainda tenho a preferência por compartilhar elas com as palavras de quem viveu esses momentos, e do quanto cada momento desses representou pra cada família.

A gente se conheceu por intermédio da @analumunoz_materna, que foi a doula da Ohana, muitooooo conversamos pelo whats, e tentamos marcar aquele cafézinho prévio mas também não deu, mas sabe quando o santo bate? É porque algumas coisas precisam acontecer, esse foi um desses dias - eu tinha acabado de sair de um parto também (o nascimento do Totonho), quando o Fabrício ligou avisando que eles estavam voltando pro hospital, tudo foi milimetricamente calculado e no seu tempo - tudo deu muito certo - pra uma chegada linda.Foram 6 ou 7 horas acompanhando as fases da chegada da Sophie - e uma foto com outra perspectiva, não tão perto - do encantamento dos olhares da Ohana e do Fabrício.

RELATO DO PARTO

“21 de agosto 

O dia que marcou nossas vidas. 

Tudo começou no dia 20/08 terça-feira, eu tinha consulta marcada com a minha obstetra Dra.Daniele na parte da manhã, pedi para que o Fabrício fosse junto para que definíssemos o que seria feito, se esperaríamos até 41 semanas ou se marcávamos uma cesariana, chegou um momento que eu já não conseguia mais dormir com o barrigão, falta de ar e um cansaço bem chato, já estava com 39+6 semanas e no dia seguinte completaria 40. Ao acordar, vi que meu pijama estava meio molhado, logo achei que a bolsa havia rompido parcialmente (bolsa rota), mandei um whats para minha médica e falei o que tinha acontecido, até porque eu estava super bem, chegando no consultório logo fui atendida, a Dra. e avaliou e a princípio estava tudo integro, 2cm de dilatação, e me orientou ir para o hospital fazer uma ecografia a fim de ver a quantidade de liquido amniótico. Bom, como não sabia se iria ficar por lá, viemos em casa, tomei um banho, lavei e sequei os cabelos, almocei na casa da minha mãe, busquei ela para que fosse junto conosco. UMA PAZ! Chegando no hospital fui avaliada por um médico plantonista maravilhoso, e por uma equipe impecável. Fiz a ecografia, liquido amniótico normal, eu estava com 3cm de dilatação, fiz um MAP onde apresentei algumas contrações chatinhas, depois do resultado do MAP o médico me liberou com a seguinte frase: “Hoje tu não ganha, mas amanhã já não sei!” hehehe! Viemos para casa, no meio do caminho comecei a sentir as contrações um pouco mais fortes, mas também estava MUITO frio aquele dia, então achei que era uma mistura de contrações e cólicas “de frio”, jantamos na mãe e lá começou a dorzinha e viemos para casa, as dores começaram a aumentar, fiz alguns exercícios orientados pela minha doula, mas mesmo assim, estava desconfortável, resolvi tomar um banho “bem quentinho” para relaxar, o que eu não sabia é que “quando é alarme falso o banho relaxa” quando é trabalho de parto “o banho dilata” e a bonita aqui ficou quase 1 hora no banho tentando fazer a dor passar hahahahaha, e não é que a BENDITA DOR começou a ficar freqüente, e mais freqüente, as contrações começaram de 5 em 5 minutos com duração de 1 min cada uma, 1 minuto que parece ser uma eternidade. O Fabricio tinha entrado no banho, entrei no banheiro e disse NÃO DÁ, VAMOS VOLTAR PARA O HOSPITAL! Gente era um frio um frio, uma dor, tudo junto... Graças a Deus era 1:30 da madrugada, não tinha trânsito, chegamos do outro lado da cidade em 30min. Avisei minha mãe e meu irmão, os quais não mediram esforços para estarem conosco naquele momento. Cheguei no hospital URRANDO de DOR, a recepcionista me olhou e disse “VOLTOU”?. Novamente fui avaliada pelo plantonista, e eu só sentia dor, quando passava aquele 1 minuto parecia que eu estava no paraíso, as contrações começaram a ser de 3 em 3min e eu estava com 4cm de dilatação. O médico entrou em contato com a minha Dra. Daniele (maravigold), quando eu a vi a sensação era que eu estava vendo a luz no fim do túnel, eu já estava com 7cm de dilatação, optei por fazer analgesia, gente quem tem opção deste recurso, não hesite de usar, a principio eu não queria, mas depois que conheci a dor da bendita contração, eu tomaria mais umas 20(risos), fui abraçada pela minha médica enquanto a anestesia era feita na minha coluna (NÃO SENTI NADA,PARA QUEM TEM MEDO, NÃO DÓI), eu estava no paraíso em questão de minutos, abri um sorriso sem fim, quando fui avaliada já estava com a dilatação completa, a Dra. saiu correndo para se vestir e chamar o Fabrício (na hora da anestesia não fica ninguém junto).

Meu parto NORMAL FOI LINDO, foram 4 ou 5 horas de trabalho de parto, foi incrível. Fui posicionada, as luzes apagadas e uma música de bebê no fundo. Foi tudo que eu sempre SONHEI, aquele parto humanizado, não só pela via de parto, mas, por todo acolhimento da equipe, da minha médica Dra. Daniele, de todas orientações que tive durante minha gestação, fui respeitada, dei risada durante as forças para o nascimento da Sophie, as 5:50 eu recebi em meus braços o meu coração. A imagem mostra o meu semblante, alguma dúvida de que foi a experiência mais linda das nossas vidas? É muito mais que ver, é SENTIR.

Gostaria que todas mulheres grávidas tivessem informações, atendimentos humanizados, sem dúvida faz toda diferença, palavras de aconchego, profissionais que AMAM o que fazem. Deus nos abençoou muito, colocou anjos em nosso caminho.” - Ohana

Feliz por nossas longas conversas nos últimos dias que antecederam esse dia, das expectativas pra que tudo desse certo. Mais um ciclo cheio de histórias vem aí!!!

É mais do que ver, é sobre SENTIR.